Seguidores

segunda-feira, 9 de março de 2009

Joaquim Pessoa




CANÇÃO DAS PROSTITUTAS DE LISBOA




Eu vi as raparigas do meu povo
que o meu povo fez tão magoadas.
Com os seios inchados de ternura
e doces olhos, doces como amêndoas.


Eu vi as raparigas magoadas
ilegítimas filhas do meu povo.
Nas esquinas eu vi a madrugada
com um cravo de amargura nos cabelos.


Eu vi as raparigas do meu povo
por entre o meu povo magoado.
Aqui. Em Lisboa. Sobre a mágoa.
Aonde o mar acaba e o mal começa.


CANÇÃO ERÓTICA



Alegria é este pássaro que voa
da minha boca à tua. É este beijo.
É ter-te nos meus braços toda nua.
Sentir-me vivo. E morto de desejo.


Alegria é este orgasmo. Esta loucura
de estar dentro de ti. E assim ficar.
Como se andasse perdido e à procura
de possuir-te.
E possuir-te devagar.....


2 comentários:

Isa disse...

Bom Dia!Amigok brindaste-nos com
2 poemas lindíssimos!
Claro q.prefiro o segundo.O 1º dá-me uma certa tristeza.Situações
difíceis de colmatar.
Tem um dia feliz.
Beijoo.
isa.

manzas disse...

Belos poemas caro amigo!


Num momento desnudado de inspiração
Apuro sentidos desconhecidos nas janelas do mundo…
Abro longas cortinas entreabertas da imaginação
E sonho despertar, num sono em que não durmo

Um resto de um bom dia e semana
Continuando, com a boa inspiração…

O eterno abraço…

-MANZAS-