Seguidores

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Poetas da Nossa Terra



Se Me Deixares, Eu Digo


  Se me deixares, eu digo
O contrario a toda a gente;
E, n'este mundo de enganos,
Falla verdade quem mente. 


Tu dizes que a minha boca
Já não acorda desejos,
Já não aquece outra boca,
Já não merece os teus beijos; 


Mas, tem cuidado commigo,
Não procures ser ausente:
- Se me deixares, eu digo
O contrario a toda a gente. 



Escrita da época                                       António Botto, in 'Canções'
 

12 comentários:

Isamar disse...

Mais outro poeta da minha preferência. Ainda há pouco tempo publiquei um poema seu no meu blogue " A Ver o Mar".
A poesia tem o dom de me fazer sonhar, viajar, evadir-me para recantos onde reinam a paz, a justiça,o amor... e nela encontro refúgio adequado para o meu espírito. Posso dizer-te, amigo, que não há dia em que não leia vários poemas. Fico deliciada com os recursos estilísticos usados assim como com as imagens que os poetas me propiciam.

Bem-hajas, Andrade, que tens alma e sensibilidade de artista.

Beijinho

Albertina Granja disse...

Bravo Andrade.......
Mais um lindo poema....
Este eu não conhecia, mesmo.....
Mas gostei, gostei muito...

Mara disse...

Olá, meu querido!
Admiro a diversidade de tuas postagens!O teu país tem poetas maravilhosos e António Botto é um deles.
Parabéns pela escolha.
Beijo,
Mara

Teresinha Oliveira disse...

Poeta malvado :•) Isso é amor encruado. Deixa a moça...

Marcia Morais disse...

vim te ler amigo e desejar bom fim de semana e dar uma olhadinha nas margaridas do perfil rs bjos!

Magia da Inês disse...

º°♥.¸Olá, amigo!.•✿♫°

Passei para ler e admirar os poetas da terrinha.

Bom fim de semana!
Beijinhos

¸¸.•´*✿♫°`•.¸¸
°♥•°Brasil°•♥°
♥♥ •.¸¸¸¸.•´º°

Sonhadora disse...

M;eu querido amigo

Como sempre uma boa escolha...deixo um beijinho e votos de bom fim de semana.

Sonhadora

Anónimo disse...

Muito curioso este poema.
Li e reli com prazer.
BFS.
Beijo.
isa.

Anónimo disse...

Parabéns pelo blogue. É realmente uma homenagem merecida aos poetas!

Abraço

Flor da Vida disse...

Meu amigo, que poema adorável!
Amei de coração! Obrigada por compartilhar!

Carinhos meus pra ti, viu?
Beijos

Anónimo disse...

A modernidade de António Botto reside precisamente na capacidade de, ao tratar um tema eminentemente subjetivo, como a confissão amorosa, intelectualizar esse caso íntimo, decompondo com ironia ou refletido desalento as reações do sujeito poético, a ponto de anular, pela lucidez com que se expõe, o sentimentalismo de que parte.

Uma ótima escolha o teres postado!
Um beijo

Maria disse...

Amigo lindo poema, não conhecia.
Tenha uma excelente semana plena de alegria e paz.
Beijinhos
Maria