Seguidores

terça-feira, 26 de julho de 2011

Poetas da Nossa Terra






Cesário Verde


De tarde

Naquele «pic-nic» de burguesas,
Houve uma coisa simplesmente bela,
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão-de-bico
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, inda o sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos,
E pão de ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro, a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da merenda
O ramalhete rubro das papoulas.

Cesário Verde


7 comentários:

isa disse...

O que eu gosto deste Poema!
LINDO!!
Quando o leio,sinto-me a descer "do burrico",arregaçando a saia,sei lá,
como que fazendo parte desse maravilhoso quadro!
Beijo.
isa.

Albertina Granja disse...

Há quanto tempo que eu não lia Cesário Verde?????
Tanto, tanto que já nem me lembro.....
Mas adoro este poema e gosto muito de Cesário Verde
Obrigada Andrade....
Boas Férias

LOURO disse...

Mais um poeta da nossa terra,belo poema de Cesário Verde,Gostei!!!

Abraço
Lourenço

Mara disse...

Boa noite, meu querido!
Gosto muito dos poemas de Cesário Verde.Esse é mais entre tantos belíssimos que ele escreveu.
Beijo,
Mara

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Este poema de Cesário Verde é lindissimo, adorei e deixo um beijinho.

Sonhadora

ONG ALERTA disse...

Um gënio com as palavras...
Beijo Lisette.

Magia da Inês disse...

°º✿
º° ✿✿♥ ° ·.
MUITO BONITo!
°º✿
º° ✿✿♥ ° ·.
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Brasil
°º✿
º° ✿✿♥ ° ·.