Seguidores

terça-feira, 25 de maio de 2010

Poetas da Nossa Terra

Joaquim Pessoa
De onde chegam estas palavras?

De onde me chegam estas palavras?

Nunca houve palavras para gritar a tua ausência

Apenas o coração
Pulsando a solidão antes de ti
Quando o teu rosto dóia no meu rosto
E eu descobri as minhas mãos sem as tuas
E os teus olhos não eram mais
que um lugar escondido onde a primavera
refaz o seu vestido de corolas.

E não havia um nome para a tua ausência.

Mas tu vieste.

Do coração da noite?
Dos braços da manhã?
Dos bosques do Outono?

Tu vieste.
E acordas todas as horas.
Preenches todos os minutos.
acendes todas as fogueiras
escreves todas as palavras.

Um canto de alegria desprende-se dos meus dedos
quando toco o teu corpo e habito em ti
e a noite não existe
porque as nossas bocas acendem na madrugada
uma aurora de beijos.

Oh, meu amor,
doem-me os braços de te abraçar,
trago as mãos acesas,
a boca desfeita
e a solidão acorda em mim um grito de silêncio quando
o medo de perder-te é um corcel que pisa os meus cabelos
e se perde depois numa estrada deserta
por onde caminhas nua.

++++++++++++++++

7 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Espectacular....
Um abraço

Isa disse...

Para mim dos melhores poemas de
Joaquim Pessoa. A sensualidade salta a cada palavra(e como eu gosto disso)
a força do sentimento domina todo o Poema.
Beijo.
isa.

Ana disse...

Com muito sentimento!
Agradeço amigo a visita que tem efectuado ao meu blog.
Bjinho :-)

Anya disse...

So touching words :-)
So lovely .....

(Sorry Jose I am late because I had internet trouble :(

Sylvia Rosa disse...

Lindo, Lindo, lindo... Mas vou voltar aqui. Meus olhos turvaram depois de ler tudo isso, acho que foi a taça de vinho, mas tudo bem, já valeu a noite.
Lindos sonhos meu amigo. Boa nt

Sonhadora disse...

meu querido amigo
Que beleza de poema, sempre escolhe bem os poetas.

deixo um beijinho
Sonhadora

Eloah disse...

Lindo, Lindo. ..Abraço