Seguidores

domingo, 20 de março de 2011

Poetas da Nossa Terra



Quadras
Sem que o discurso eu pedisse,
Ele falou; e eu escutei.
Gostei do que ele não disse;
Do que disse não gostei.


Tu, que tanto prometeste
Enquanto nada podias,
Hoje que podes – esqueceste
Tudo quanto prometias…


Chegasses onde pudesses;
Mas nunca devias rir
Nem fingir que não conheces
Quem te ajudou a subir!


Os que bons conselhos dão
Às vezes fazem-me rir,
- Por ver que eles próprios são
Incapazes de os seguir.


Mesmo que te julguem mouco
Esses que são teus iguais,
Ouve muito e fala pouco:
Nunca darás troco a mais!


Entra sempre com doçura
A mentira, pr’a agradar;
A verdade entra mais dura,
Porque não quer enganar.


Se te censuram, estás bem,
P’ra que a sorte te perdure;
Mal de ti quando ninguém
Te inveje nem te censure!

Ant.Aleixo

************************************

9 comentários:

Isa disse...

Pelo barulho...já viste que sou eu.
Este nosso Poeta popular tinha versos mt bons e com profundidade!
Beijo.
isa.

Mara disse...

Querido Zé!
As quadrinhas de António Aleixo são sempre bem vindas!
Deixo pra ti deste mesmo poeta:

Gosto do preto no branco,
como costumam dizer:
antes perder por ser franco
que ganhar por não ser.

Parabéns pelo Dia do Blogueiro! Graças aos blogues podemos conhecer pessoas maravilhosas e consolidar amizades e amores intensos e verdadeiros.

Tenha uma excelente semana.
Com carinho,
Mara

Sylvia Rosa disse...

Lindas verdades desse Poeta...
Muito bom tá aqui.
Umbj

Multiolhares disse...

este é um dos poemas que por mais que o tempo passe sempre nos retratamos nele
bjs

Solange disse...

Adorei!!

bjs.Sol

Albertina Granja disse...

António Aleixo !!...!!...
Sempre actual......
Nunca nos cansamos de o ler.....
Lindos estes versos....

Cata- Vento disse...

Uma mosca sem valor
pousa com a mesma alegria
na cabeça de um doutor
como em qualquer porcaria

Ontem rei e hoje sem trono
vagueando pela rua
entreguei o fato ao dono
e a miséria continua

António Aleixo, algarvio quase analfabeto, foi descoberto pelo Dr. Joaquim da Rocha Peixoto Magalhães que passou a escrito todas as quadras que o poeta dizia pelas ruas, feiras e mercados. Ainda conheci a sua esposa e uma filha.

Bem-hajas!

Beijinhos

Andradarte disse...

Cata Vento
Gostava de ter conhecido essa figura,
pois admiro a sua espontaneidade ...
Cada tiro....um melro..nunca falha...
Beijo

piedadevieira disse...

Você nunca passa.
Sempre bom ler quadrinhas.
Beijos