Seguidores

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Poetas da Nossa Terra





A CONCHA PERFEITA DAS TUAS MÃOS

sei um jeito de te fazer ficar
murmuravas nas manhãs em que nascíamos
ávidos de nós
e éramos tão novos
e faltávamos às aulas

posso ter esquecido admito muita coisa
caminhos promessas lugares a cor
da saia que vestia no dia em que não voltei
muita coisa admito menos
a concha perfeita das tuas mãos sobre o meu peito
o cheiro das laranjeiras as cartas
em papel tão adolescente e azul
o esplendor de junho à mesa familiar
os espelhos garantindo-nos um lugar único na casa

posso ter esquecido admito muita coisa
menos os nossos corpos simultâneos
às portas do amor

no arco da minha pele que humidamente
se abria ao lume da tua língua

nessas manhãs em que jurámos
não morrer nunca



In “Dois Corpos Tombando na Água”
Editorial Caminho – 2007 

Alice Vieira

2 comentários:

Olinda Melo disse...


Quando se fala em Alice Vieira identificamo-la logo( pelo menos eu) com a sua obra infanto-juvenil.

E contudo ela tem uma obra vastíssima, privilegiando praticamente todos os tipos de escrita.

Como este lindo poema onde celebra o amor.

Abraço

Olinda

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Mais uma escolha perfeita, este poema de Alice Vieira é lindo mesmo.

Um beijinho com carinho
Sonhadora