Seguidores

domingo, 13 de janeiro de 2013

Poetas da Nossa Terra





Algo se me assemelha


Algo se me assemelha
e me quer para si

me desembainha

quando menos espero
Distorção do espírito

para a morte
como o corpo num salto

irremediavelmente

lento

e

alto

 
{Luiza Neto Jorge}

**************************************

 


4 comentários:

Olinda Melo disse...


Uma poetisa que eu não conhecia. O seu belo poema traz até nós uma certa inquietude, um não sei quê de fatalista, a que não se pode fugir. Texto curto que diz tudo.

Obrigada.

Um bom domingo.

Abraço

Olinda

Albertina Granja disse...

Sempre enigmática nos seus poemas e sempre fatalista....!!!
Mas não deixa de ser bonito, que diz muito, com muito pouco.....
Albertina

luna luna disse...

entre o viver e o morrer é um salto
beijos

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Mais uma bela escolha, um poema magnifico que adorei e vou ver se leio algo desta poetisa.

Um beijinho com carinho
Sonhadora