Seguidores

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Poetas da Nossa Terra






Um Pássaro a Morrer


 Não é vida nem morte, é uma passagem,
nem antes nem depois: somente agora,
um minuto nos tantos duma hora.
Uma pausa. Um intervalo. Uma viragem.

Prisioneira de mim, onde a coragem
de quebrar as algemas, ir-me embora,
se tudo o que em mim ria agora chora,
se já não me seduz outra viagem?

E nada disto é céu nem é inferno.
Tristeza, só tristeza. Sol de Inverno,
sem uma flor a abrir na minha mão,

sem um búzio a cantar ao meu ouvido.
Só tristeza, um silêncio desmedido
e um pássaro a morrer: meu coração.

Fernanda de Castro, in "E Eu, Saudosa, Saudosa"

7 comentários:

isa disse...

Mais uma vez trouxeste Fernanda de Castro com um belo Poema!
Ela tem uma maneira especial de falar
do sofrimento amoroso.
Gostei muito.
Beijo.
isa.

Solange disse...

como são lindos os poemas tristes..

bjs.Sol

Albertina Granja disse...

Fernanda de Castro tem poemas lindíssimos e ese é mais um deles...
Adorei...
Obrigada Andrade

piedadevieira disse...

Belíssimo poema, amigo!
beijos

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Fernanda de castro uma poetisa que adoro ler, canta a tristesa como ninguém.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Vento disse...

"E Eu, Saudosa, Saudosa"...

Lindíssimo poema.
Não conhecia

Voltarei aqui, aos Nossos Poetas, se me permites.

Abraço.

Luna disse...

a vida é uma passagem , muito breve onde o sofrimento quase semopre esta presente, mas é ele que nos faz crescer
bjs