Seguidores

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Poetas da Nossa Terra


Natália Correia - Poema II


De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto:
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.

E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.

Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.

Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem. 

7 comentários:

Albertina Granja disse...

Poema lindo este da Natália Correia!!!! Aliás como toda a sua obra...
Parabéns Andrade.

Mara disse...

Boa noite, meu querido!.
Natália Correia é sempre muito bem vinda com seus poemas e sonetos.
Gosto muito desse que escolhes-te.
Um beijo carinhoso,
Mara

Solange disse...

uau!
lindo demais.

bjs.Sol

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Adoro Natália Correia, e este é um dos mais lindos dela.

deixo um beijinho
Sonhadora

Isamar disse...

Um lindo poema de uma Mulher audaz, fogo incandescente na poesia que faz vibrar quem a lê.O amor, tema recorrente na poesia, tratado de forma sublime por Natália Correia:

"E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico."

Bem-hajas!

Beijinho

tulipa disse...

Todos sabemos que por aqui encontraremos SEMPRE
belas poesias
de tão magníficos POETAS.

Obrigado pela partilha.

Convido a ver a
LEGIÃO ESTRANGEIRA, sabe um dos lugares onde existem?
...
Os legionários recebem seus vencimentos quase que totalmente livres de despesas.
As refeições feitas no quartel são gratuitas de segunda a sexta-feira, e nos finais de semana pagas à parte (cerca de 4 euros).
Aos salários iniciais, em torno de mil euros para quem serve no continente e de 1,5 mil para os alojados na ilha da C-----a, juntam-se os prémios e bonificações pagos, quando os soldados partem em missões fora do território francês. Conforme o caso, os soldos podem até triplicar.
A rotina na ilha, se resume a fazer faxina, cuidar das fardas, lustrar botas, praticar exercícios físicos e estar sempre "ligado", pronto para ser chamado a qualquer hora do dia ou da noite.
Nos finais de semana, impecavelmente uniformizados, os legionários são liberados para ir à cidade, apesar de que nem tudo o que diz respeito à vida mundana é permitido.
Nada de discoteca, de baladas com mulheres ou bares mal afamados. "Somos controlados. Temos que ter um comportamento exemplar", acrescentou.

Fernando Santos (Chana) disse...

Caro amigo, belo poema...Espectacular....
Um abraço