Seguidores

sábado, 8 de outubro de 2011

Poetas da Nossa Terra


estou escondido na cor amarga do fim da tarde.

estou escondido na cor amarga do
fim da tarde. sou castanho e verde no
campo onde um pássaro
caiu. sinto a terra e orgulho
por ter enlouquecido. produzo o corpo
por dentro e sou igual ao que
vejo. suspiro e levanto vento nas
folhas e frio e eco. peço às nuvens
para crescer. passe o sol por cima
dos meus olhos no momento em que o
outono segue à roda do meu tronco e, assim
que me sinta queimado, leve-me o
sol as cores e reste apenas o odor
intenso e o suave jeito dos ninhos ao
relento


valter hugo mãe de estou escondido na cor amarga do fim da tarde

5 comentários:

Mara disse...

Boa noite querido!
Muito interessante essa tua postagem.Gostei muito.
Obrigada por compartilhar.
Beijos,
Mara

Magia da Inês disse...

♥ •˚。
°°Olá, amigo! 。♥。
● ♥• Poema muito expressivo e inspirado.
˚。˚ Bom fim de semana!
♥ •˚。Beijinhos.
•˚。Brasil
..(░)(░)
(░)(♥)(░)
..(░)(░)

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Sempre boas escolhas e eu tenho que dizer sempre isso...porque é verdade, adorei este texto.

Deixo um beijinho
Sonhadora

isa disse...

Um belo Poema de alguém que só recentemente conheci.
Beijo.
isa.

ONG ALERTA disse...

Sempre nos mostrando obras maravilhosas de sua terra, beijo Lisette.