Seguidores

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Poetas da Nossa Terra



Se Me Deixares, Eu Digo


  Se me deixares, eu digo
O contrario a toda a gente;
E, n'este mundo de enganos,
Falla verdade quem mente. 


Tu dizes que a minha boca
Já não acorda desejos,
Já não aquece outra boca,
Já não merece os teus beijos; 


Mas, tem cuidado commigo,
Não procures ser ausente:
- Se me deixares, eu digo
O contrario a toda a gente. 



Escrita da época                                       António Botto, in 'Canções'
 

12 comentários:

Isamar disse...

Mais outro poeta da minha preferência. Ainda há pouco tempo publiquei um poema seu no meu blogue " A Ver o Mar".
A poesia tem o dom de me fazer sonhar, viajar, evadir-me para recantos onde reinam a paz, a justiça,o amor... e nela encontro refúgio adequado para o meu espírito. Posso dizer-te, amigo, que não há dia em que não leia vários poemas. Fico deliciada com os recursos estilísticos usados assim como com as imagens que os poetas me propiciam.

Bem-hajas, Andrade, que tens alma e sensibilidade de artista.

Beijinho

Albertina Granja disse...

Bravo Andrade.......
Mais um lindo poema....
Este eu não conhecia, mesmo.....
Mas gostei, gostei muito...

Mara disse...

Olá, meu querido!
Admiro a diversidade de tuas postagens!O teu país tem poetas maravilhosos e António Botto é um deles.
Parabéns pela escolha.
Beijo,
Mara

Teresinha Oliveira disse...

Poeta malvado :•) Isso é amor encruado. Deixa a moça...

Marcia Morais disse...

vim te ler amigo e desejar bom fim de semana e dar uma olhadinha nas margaridas do perfil rs bjos!

Magia da Inês disse...

º°♥.¸Olá, amigo!.•✿♫°

Passei para ler e admirar os poetas da terrinha.

Bom fim de semana!
Beijinhos

¸¸.•´*✿♫°`•.¸¸
°♥•°Brasil°•♥°
♥♥ •.¸¸¸¸.•´º°

Sonhadora disse...

M;eu querido amigo

Como sempre uma boa escolha...deixo um beijinho e votos de bom fim de semana.

Sonhadora

Isa disse...

Muito curioso este poema.
Li e reli com prazer.
BFS.
Beijo.
isa.

luz efemera disse...

Parabéns pelo blogue. É realmente uma homenagem merecida aos poetas!

Abraço

Flor da Vida disse...

Meu amigo, que poema adorável!
Amei de coração! Obrigada por compartilhar!

Carinhos meus pra ti, viu?
Beijos

Memória de Elefante disse...

A modernidade de António Botto reside precisamente na capacidade de, ao tratar um tema eminentemente subjetivo, como a confissão amorosa, intelectualizar esse caso íntimo, decompondo com ironia ou refletido desalento as reações do sujeito poético, a ponto de anular, pela lucidez com que se expõe, o sentimentalismo de que parte.

Uma ótima escolha o teres postado!
Um beijo

Maria disse...

Amigo lindo poema, não conhecia.
Tenha uma excelente semana plena de alegria e paz.
Beijinhos
Maria