Seguidores

sábado, 5 de março de 2011

Poetas da Nossa Terra



 Diz-me o Teu Nome


Diz-me o teu nome - agora, que perdi
quase tudo, um nome pode ser o princípio
de alguma coisa. Escreve-o na minha mão

com os teus dedos - como as poeiras se
escrevem, irrequietas, nos caminhos e os
lobos mancham o lençol da neve com os
sinais da sua fome. Sopra-mo no ouvido,

como a levares as palavras de um livro para
dentro de outro - assim conquista o vento
o tímpano das grutas e entra o bafo do verão
na casa fria. E, antes de partires, pousa-o

nos meus lábios devagar: é um poema
açucarado que se derrete na boca e arde
como a primeira menta da infância.

Ninguém esquece um corpo que teve
nos braços um segundo - um nome sim.


Maria do Rosário Pedreira

in «Nenhum Nome Depois»,
Lisboa: Gótica, 2ª. Ed., 2005.

7 comentários:

ETERNA APAIXONADA disse...

Terno e doce o poema!
Não conhecia a autora e gostei muito! Obrigada por partilhar.
Irei buscar mais dados sobre ela.
Tenha um ótimo fim de semana. Bom descanso no carnaval!
Beijos...

Mara disse...

Olá, meu querido!
Digo-te o meu nome , sim.....chamo-me "Amor".
Beijo grande pra ti, meu lindo e o desejo de um excelente final de semana.
Com ternura,
Mara

Isa disse...

Boa noite!
Uma noite sem nada de especial...
salvo o belíssimo poema!
Nós,as Mulheres,somos tão subtis.
Amei!Sorri!
Beijo.
isa.

Maria disse...

Lindissimo poema amigo.
Tenha um maravilhoso Domingo, pleno de alegria, paz e harmonia.
Beijinhos
Maria

ONG ALERTA disse...

Lindo, diga o nome do amor...
Beijo Lisette.

Vivian disse...

...que delícia de poema!

bj, alma linda!

Flor da Vida disse...

Amigo, parabéns pelo bom gosto e sabedoria ao escolher esse poema!
Versos belos, profundos, e muito reflexivos!
Deixo carinhos meus pra ti, viu? Bjsss