Seguidores

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Por Simpatia do Blog RARAAVIS

Compilação do Post SHABAT

-Cabala, ramo místico do judaísmo, é actualmente usado erradamente por pessoas que se afirmam vítimas de teorias da conspiração.
-Abracadabra,”abra cidabra”, do aramaico.(Eu criarei à medida que falo). Palavra muito recorrente no mundo da magia.
-Azeite, do hebraico ha-zeit.
-Sábado, como diria o escritor israelita Amos Oz, “…Um dos maiores legados transmitidos a toda a civilização pelos judeus…”Vem de shabat, dia sagrado no judaísmo.
-Desmazelo, de “mazal”, pouco cuidado, desleixo.
-Tacanho, de “katan”, pequeno, estatura baixa, acanhado.
-Servir a carapuça, expressão que vem desde tempos medievais, quando os judeus eram obrigados a usar chapéus pontiagudos de estilo frígio, ou de três pontas, para serem mais facilmente identificados e deferenciados dos cristãos.
-Pedir a benção aos nossos pais ao entrar e sair de casa, tradição em desuso, mas que remonta à benção sacerdotal bíblica, e também, quando os pais abençoam os filhos em shabat.
-D’us te crie, depois de um espirro, sua origem é Hayim Tovim.(Que tenhas uma boa vida).
-Que maçada, quando se tem um contratempo ou qualquer outro azar. Forma alterada de uma referência à fortaleza de Massada. Local esse, tomado pelas legiões romanas no ano 73 d.C. aos zelotes que ali resistiam, preferindo os nacionalistas judeus o suícidio colectivo, à escravidão de Roma.
-Passar o mel pela boca, aquando da circuncisão, o rabino passava o mel na boca do bébé para evitar o choro da criança.
-Não cortar unhas e cabelo à Sexta-feira, ditado antigo, que revela o receio que os cristãos-novos tinham em ser denunciados por um qualquer vizinho à inquisição. Manter a higíene pessoal em preparação para shabat (sábado), era algo que poderia denunciar as suas práticas judaizantes, e consequentemente, um acto perigoso a partir dos finais do séc.XV e posteriores.
-Passar a mão pela cabeça com o simples propósito de perdoar alguma falta. Quando os pais pousavam suas mãos na cabeça dos filhos, e as desciam até às suas faces, pronunciando a respectiva benção.
-Ficar a ver navios, alusão ao facto de que em 1497, o rei D. Manuel, promete aos judeus que queiram partir, que se desloquem aos portos do litoral, pois disponibilizaria navios que os levariam para outros destinos. Só ao porto de Lisboa foi facultado o acesso a milhares de pessoas, pois os restantes portos, permaneceram encerrados. Alegando que não havia navios suficientes, D. Manuel ordenou o baptismo forçado de uma grande maioria deles. Clérigos chegaram mesmo a arrastar pelos cabelos e barbas muitas das pessoas, para lhes ser administrada água benta no Convento de S. Domingos, enquanto que as crianças eram lançadas às águas do Tejo, para deste modo serem convertidos mais rápidamente.
A expressão ficou até hoje como sinónimo de embuste, de esperança traída.
-Obras de Santa Engrácia, termo para designar um trabalho demasiadamente longo, interminável na sua conclusão, e que está associado a um cristão-novo de nome Simão Pires de Solis, que mesmo humilhado e torturado, não revela a sua paixão por uma jovem noviça do Convento de Santa Clara.
Acusado de furtar relíquias religiosas, é queimado vivo. Em pleno tormento e já meio tresloucado, grita bem alto que: “Será tão certo que sem crime, vou morrer, como certo não minto, que nunca se darão por realizadas por mais somas utilizadas, as obras de Santa Engrácia, que aqui vedes começar”.
Anos depois é comprovada a sua inocência, mas é tarde de mais para o coitado Simão Pires, e com maldição ou não, o facto é que a construção da igreja iniciada em 1682, só será concluída a sua finalização em 1966. (Foram precisos 284 anos para o fim das obras).
E assim nasceu a lenda…
-És mesmo judeu, ou só fazes judiarias, com certeza que todos nós já ouvimos isto em alguma determinada ocasião, é bem representativo do estereótipo anti-semita peninsular, ligando os judeus como alguém mau, que só faz asneira e maldades.
-Facas cruzadas dá azar, outro mito ligado aos cristãos-novos, tudo o que fosse uma cruz era sinal de profunda repulsa, dando origem a ditados populares como este.
-Meninos Rabinos Pinta Paredes, após Abril de 1974, foi a designação escolhida para identificar um movimento político português, que tinha por hábito pintar grandes murais revolucionários.

####

4 comentários:

Isa disse...

Parabéns! Gostei muito de toda esta
informação.
Culturalmente muito precisa;ficar a saber mais...nunca fez mal a ninguém.
Beijo.
isa.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO AMIGO, GOSTEI IMENSO DA TUA POSTAGEM... ESTAMOS SEMPRE A APRENDER... ABRAÇO-TE COM CARINHO E AMIZADE,
FERNANDINHYA

poetaeusou . . . disse...

*
cheira-me
a Tora,
,
um abraço,
,
*

TERE disse...

Aprendi coisas que não sabia com a leitura deste post.

Abraço