Seguidores

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Joaquim Pessoa




AMOR COMBATE



(Cobardia)


Leonor


Não há cravos nem peixes. Não há erva
que alimente os cavalos da poesia.
Não há cornos que marrem esta merda
nem palavras que se enforquem de alegria.


Leonor vai descalça. E mutilada.
Nem formosa nem segura. Minha dor!
Não há cravos nem peixes. Não há nada.
As palavras morrem todas meu amor.


Não há cravos nem peixes. Não há erva
que alimente os cavalos da poesia.
Não há cornos que marrem esta merda
nem palavras que se enforquem de alegria.


Leonor: antes ser morta que ser serva!
Mil vezes mais a dor que a cobardia!

2 comentários:

PQ disse...

Grande poeta.

Efigênia Coutinho disse...

Gostei deste espaço, e ler estes versos foi muito gratificante, meus cumprimentos ao autor.
Quero fazer-lhe um convite para visitar o meu segundo espaço aqui, e deixo o Link.
Com admiração,
Efigênia Coutinho
http://efigeniacoutinhoamigospoetas.blogspot.com/